Toggle navigation

#instaaaaah1,872,800 POSTS

Post Content
User Image benmico Posted: Jan 19, 2018 9:34 PM (UTC)

9
1 Normal
User Image perrie.my.sunlight Posted: Jan 19, 2018 9:10 PM (UTC)

19
10 Normal
The second part!!💙💙Hope you like it guys!!
Tell me your opinion!!
This song makes me cry...😭
User Image felipe.carlotto Posted: Jan 19, 2018 9:03 PM (UTC)
3,025
6 Normal
As vezes é mais fácil ser esquecido e ignorado do que ser lembrado e amado. E pensar que dependendo de quem te enxerga, de nada adianta ter uma vida cheia de caráter e simplicidade se preferem você com um bolso cheio de notas verdes... Basta um desliza, uma baixa financeira que tudo se torna lembrança e uma ponte quebrada no abismo da mediocridade humana. Hoje as pessoas confundem bons relacionamentos com negócios, daí não há quem acuda, tudo é vazio, sem esperança e sem graça, bons tempos em que o interesse era apenas humano. Pontes quebradas podem até serrem consertadas novamente, mas a confiabilidade demora a retornar e o motivo que a quebrou sempre estará na lembrança. A sabedoria que Deus nos deu, nunca foi com o propósito de sermos avarentos, espertos e cruéis, mas para fazermos laços de amor e harmonia entre nós.
Arrogância não combina com a simplicidade de viver em paz.
A mentira com a verdadeira vida de luz.

#felipecarlotto
@notas_e_reflexoes

#video #instavid #instagramvideo #votd #vid #instavideo #videogram #videooftheday #instavideo #bestvideooftheday #igvideo #igvid
Existe duas dores de amor. A primeira é quando a relação termina e a gente, seguindo amando, tem que se acostumar com a ausência do outro, com a sensação de rejeição e com a falta de perspectiva, já que ainda estamos tão envolvidos que não conseguimos ver luz no fim do túnel. 
A segunda dor é quando começamos a vislumbrar a luz no fim do túnel. 
Você deve achar que eu bebi. Se a luz está sendo vista, adeus dor, não seria assim? Mais ou menos. Há, como falei, duas dores. A mais dilacerante é a dor física da falta de beijos e abraços, a dor de virar desimportante para o ser amado. Mas quando esta dor passa, começamos um outro ritual de despedida: a dor de abandonar o amor que sentíamos. A dor de esvaziar o coração, de remover a saudade, de ficar livre, sem sentimento especial por ninguém. Dói também. 
Na verdade, ficamos apegados ao amor tanto quanto à pessoa que o gerou. Muitas pessoas reclamam por não conseguir se desprender de alguém. É que, sem se darem conta, não querem se desprender. Aquele amor, mesmo não retribuído, tornou-se um suvenir de uma época bonita que foi vivida, passou a ser um bem de valor inestimável, é uma sensação com a qual a gente se apega. Faz parte de nós. Queremos, logicamente, voltar a ser alegres e disponíveis, mas para isso é preciso abrir mão de algo que nos foi caro por muito tempo, que de certa maneira entranhou-se na gente e que só com muito esforço é possível alforriar. 
É uma dor mais amena, quase imperceptível. Talvez, por isso, costuma durar mais do que a dor-de-cotovelo propriamente dita. É uma dor que nos confunde. Parece ser aquela mesma dor primeira, mas já é outra. A pessoa que nos deixou já não nos interessa mais, mas interessa o amor que sentíamos por ela, aquele amor que nos justificava como seres humanos, que nos colocava dentro das estatísticas: eu amo, logo existo. 
Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo. É o arremate de uma história que terminou, externamente, sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro da gente.

@felipe.carlotto
#felipecarlotto
It's Friday and I'm excited!

Firstly I have some news, I'm coming back to blogging with a NEW website!

I just received a new brand & headshot photography session from the one and only @suemoodiephotography!

There's lots to update you all with and soon to come on my newly renovated website!

Happy Friday 🤗❤️😍

Hashtags found on this page