publicop3 We're happy to present @ceci_rll Follow @publicop3, tag your best photos with #p3top and get a chance to be featured. Have fun 15h

» LOG IN to write comment.

publicop3 We're happy to present @selectaorka Follow @publicop3, tag your best photos with #p3top and get a chance to be featured. Have fun 15h

» LOG IN to write comment.

publicop3 We're happy to present @mi_noir Follow @publicop3, tag your best photos with #p3top and get a chance to be featured. Have fun 15h

» LOG IN to write comment.

publicop3 Costumava apresentar-se como “uma bruxa velha com uma máquina fotográfica e um Mac” mas, desde que participou num "workshop" de arte urbana para idosos — o Lata 65, organizado por @laraseixorodrigues —, *L passou a acrescentar “os cartões, o x-acto e as latas” à sua descrição. *L é @luisacortesao1, que espalha “stencils” por “superfícies efémeras como tapumes ou paredes degradadas” — “nunca (…) sobre pedra ou azulejo”. “O sossego também é importante porque já não tenho idade para fugir à polícia”, diz ao P3, em entrevista por e-mail. Bruxas, fadas e borboletas é o que mais desenha, a par de “florzinhas, estrelinhas e crianças”. “Também corto o que as [minhas] netas desenham e, francamente, acho que são melhores que os meus.” Vai partilhando fotografias do que desenha no Instagram e no Facebook — anda sempre com a máquina fotográfica (“sou quase fundadora do Flickr”) —, mas o gosto pelos “stencils” não é algo recente. “Há muitos anos que olho para as paredes pintadas”, sublinha *L. Seguia o trabalho de nomes como Keith Haring, Basquiat e Nemo e, há coisa de dez anos, quando visitou a filha (Rosa Pomar) em Bristol, teve direito a uma visita guiada “aos desenhos do então pouco conhecido Banksy”. Não sai para pintar todos os dias — “longe disso”. “A boa companhia e o bom tempo ajudam.” 6d

» LOG IN to write comment.

» LOG IN to write comment.

publicop3 We're happy to present @pedrovilaverdeph Follow @publicop3, tag your best photos with #p3top and get a chance to be featured. Have fun 1w

» LOG IN to write comment.

publicop3 We're happy to present @fortherainbow Follow @publicop3, tag your best photos with #p3top and get a chance to be featured. Have fun 1w

» LOG IN to write comment.

publicop3 We're happy to present @aistano Follow @publicop3, tag your best photos with #p3top and get a chance to be featured. Have fun 1w

» LOG IN to write comment.

publicop3 Os emojis são úteis. Os emojis são limitados — principalmente se tivermos em conta a pouca diversidade racial e em contrapartida com as dezenas de ícones alimentares disponíveis. Outra das lacunas apontadas a este prático sistema de comunicação tem sido a orientação sexual destas mini-ilustrações, hiato que os sistemas operativos não resolveram com a introdução dos dois meninos e das duas meninas de mãos dadas. Recentemente, a AppStore aceitou a aplicação Lesbian Emojis, que acrescenta uma série de novas alternativas (e também muitos estereótipos). Criada por Kimberly Linn, a série, divulgada também no Instagram em @lesbianemojis, só ainda peca por não poder ser incorporada directamente no "teclado" dos smartphones. 1w

» LOG IN to write comment.

» LOG IN to write comment.

publicop3 A mão direita que aparece em todas estas fotografias é de Moisés Patrício. É ele o fotógrafo, brasileiro de São Paulo, que se propôs a um desafio: partilhar aquilo que as suas mãos fazem e conseguem “ver”, diz ao P3 por e-mail. “Para mim, as mãos são ferramentas fundamentais da nossa evolução”, continua o artista. O objectivo do projecto é “produzir, a cada dia, uma imagem nova” — “composta, fotografada e divulgada no Instagram” @moisespatricio — durante dois anos. “Muitas vezes tento, nem sempre com sucesso, colocar a palma da mão no centro da foto, naquele lugar onde aparece o pequeno coração quando damos o ‘like’ e penso que, dessa forma, por um instante, consigo uma ligação com outras pessoas longe de mim, que sentem e vêem o mundo de uma maneira similar à minha”, explica. Moisés chega a um lugar e é aquilo que o incomoda — que lhe dá uma “sensação de desmaio, alegria, tristeza, revolta ou manifestação política” — que acaba a ser o elemento activador da ideia. 2w

» LOG IN to write comment.

publicop3 We're happy to present @nileshsoni Follow @publicop3, tag your best photos with #p3top and get a chance to be featured. Have fun 2w

» LOG IN to write comment.

publicop3 We're happy to present @nolansscreen Follow @publicop3, tag your best photos with #p3top and get a chance to be featured. Have fun 2w

» LOG IN to write comment.

publicop3 We're happy to present @click_by_daniela Follow @publicop3, tag your best photos with #p3top and get a chance to be featured. Have fun 2w

» LOG IN to write comment.

publicop3 A URSS foi um Estado socialista que aglomerava nações europeias e asiáticas, que existiu entre 1922 e 1991. Apesar de já extinta, a sua influência em diversos países e culturas é inegável. Diversos autores têm explorado esse legado e as novas identidades que se foram formando, tendo sido agora feito uma selecção de 25 fotógrafos e colectivos que melhor ilustraram esse mundo. Desde os retratos de Jacob Aue Sobol, aos registos de viagens de Gulliver Theis, passando pelo olhar sobre a Vaganova Ballet Academy de Rachel Papo ou a procura do invisível de Ikuru Kuwajima, a lista pode ser consultada em pormenor no P3. 2w

» LOG IN to write comment.

publicop3 Estudar arquitectura fê-lo começar a ver os elementos arquitectónicos de outra forma. Tiago Beato, de 24 anos, criou o projecto Archdock para partilhar as fotografias que tirava na rua e que se perdiam no perfil pessoal de Instagram. “Hoje em dia, com o iPhone na mão, a coisa surge sem darmos conta”, diz ao P3 por e-mail. As portas — o centro de muitas das fotografias que vão publicando — assumiram relevância gradualmente, por serem “o elemento dos edifícios que mais desgaste possui”. “A porta é por onde passamos por inteiro. A janela serve para olhar, a porta para passar”, reflecte o jovem. A zona histórica de Caldas da Rainha e a vila de Óbidos são os locais que visita com mais regularidade e que acabam por aparecer mais no @archdock 3w

» LOG IN to write comment.

Normal P3 Público
publicop3 Sian Davey foi apanhada desprevenida quando soube que a sua filha teria síndrome de Down. Apsicóloga e mãe de quatro filhos foi confrontada com a questão de criar uma criança que é tida como "imperfeita" pela sociedade, e admitiu a pouca preparação que tinha para tratar Alice da mesma forma que tratava os restantes filhos. Sian, confessou: estava "repleta de ansiedade, que percorreu todos os aspectos da minha relação com ela". O medo e a preocupação iniciais obrigaram-na a lidar com as suas próprias limitações e fizeram-na ver que Alice é como qualquer outra pessoa merecedora de amor, carinho e de uma vida preenchida. Looking For Alice é um conjunto de retratos íntimos que focam a vida familiar, com todos os seus altos e baixos, e ao mesmo tempo um testemunho da força e coragem de Alice.
.
Galeria no P3
3w

» LOG IN to write comment.

» LOG IN to write comment.

publicop3 #JeSuisCharlie: Já temos mais de 100 imagens na nossa galeria dedicada ao tema liberdade de expressão. Continuamos a receber propostas. Envia a tua até hoje ao final do dia para p3@publico.pt 3w

» LOG IN to write comment.

publicop3 #JesuisCharlie (Eu sou Charlie) é a frase que tem sido difundida em textos ou imagens na comunicação social mas também nas redes sociais, após a morte de 12 pessoas num ataque ao jornal francês "Charlie Hebdo", nesta quarta-feira, em Paris. As fotografias de perfil no Facebook foram trocadas por quadrados pretos e alguns órgãos de comunicação social manifestaram a sua solidariedade da mesma forma. Os cartoonistas estão unidos numa luta pela liberdade de expressão. Nós também. Lançamos o mote: envia para p3@publico.pt as tuas propostas de ilustração/"cartoon" subordinadas ao tema "liberdade de expressão". Os trabalhos seleccionados vão ser acrescentados a esta galeria nos próximos dias. 3w

» LOG IN to write comment.